Somos uma comunidade de pessoas que compartilham do desejo de viver a mensagem de Jesus de forma a incluir, e não excluir; curar, e não ferir; pacificar, e não guerrear; encorajar, e não desanimar; libertar, e não aprisionar; incentivar a liberdade e criatividade de pensamento.

Estamos ligados a FUICM (Fraternidade Universal das Igrejas da Comunidade Metropolitana)  Região Ibero-america coordenada pelo Reverendo Bispo Hector Gutierrez.

jesus lendoEstou convencido de que é perfeitamente possível uma pessoa amar a Deus, a Bíblia, a igreja e ao mesmo tempo ser assumidamente homossexual. Essa realidade é celebrada em minha casa e na comunidade onde exerço o ministério pastoral.

Por favor, dedique alguns minutos para compreender minha posição.

A Bíblia, em nossa sociedade judaico-cristã, é conhecida como o principal guia para muitas pessoas, é interessante ver como muitos cristãos tomam literalmente as referências a atos homossexuais, enquanto outros textos são interpretados com grande flexibilidade.

Como devemos ler a Bíblia?

“Tudo o que dizemos do infinito nós dizemos com um instrumento finito. Tudo o que dizemos do absoluto dizemos a partir de um instrumento relativo. Tudo o que dizemos do Self é dito pelo Ego. Tudo o que sabemos de Deus é um ser humano que disse. Esta visão de Deus ou esta visão do infinito, do sem limites, tem os limites do instrumento que o recebe. Assim, não podemos absolutizar nenhuma representação. Porque será sempre uma representação finita, do infinito.”  Jean-Yves Leloup*

É importante que reconheçamos que, muitas vezes, na história da fé, houve ocasiões em que a verdade supostamente imutável mudou.

Nós, cristãos, faríamos bem em reconhecer humildemente que os nossos textos sagrados também são limitados e falíveis. Jesus fez isso durante todo o seu ministério.

Os Evangelhos nos informam que Jesus não teve nenhum problema em rejeitar ou reinterpretar os textos sagrados dentro de sua tradição judaica.

Por exemplo, algumas autoridades religiosas da época de Jesus abusivamente utilizavam Deuteronômio 24:1 para justificar o divórcio por qualquer motivo, da mesma forma que as autoridades religiosas hoje usam abusivamente as Escritura para condenar a comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), tolerar violência, e subjugar as mulheres no lar e na igreja.

Jesus rejeitou Deut. 24:1, oferecendo uma leitura crítica deste texto. Disse que esta lei não veio de Deus (como dizia as Escrituras), mas do próprio Moisés, que fez a concessão devido à dureza de seus corações (Marcos 10:2-5).

O 4º mandamento da lei de Deus descrito em Êxodo 20:8-11 ordena que nenhum trabalho fosse feito no sábado do Senhor. Jesus em vários momentos desobedece este mandamento, seguido ao pé da letra, pelos religiosos fundamentalistas de seu tempo. Numa ocasião cura um homem com a mão ressequida e é condenado pelos religiosos que se sentem obrigados a matar Jesus para obedecer às escrituras - Êxodo 35:2. (Mateus 12:9-14)

Interessante também considerar como José desobedeceu Deut. 22:21, decidindo deixar Maria secretamente sem trazer vergonha pública sobre ela (Mateus 1:18-19). O evangelho de Mateus diz que José fez isso porque ele era um "homem justo." Obviamente, do ponto de vista de Mateus, é "justo" desobedecer o que a Bíblia diz.

Para o Cristão, quando se trata de textos sagrados a questão crítica não é “o que a Bíblia diz”, e sim: “O que Jesus diria sobre o que a Bíblia diz”. Será que Jesus faria uma leitura crítica ou o rejeitaria? Será que Jesus ofereceria uma nova leitura ou uma interpretação nova?

Jesus utilizou  uma hermenêutica de compaixão, amor e justiça.   A hermenêutica é "uma lente interpretativa" um filtro intencional. Como seguidores de Jesus, nós Cristãos devemos fazer o mesmo.

Estaria Jesus disposto a aconselhar que obedecêssemos a textos sagrados como:

Êxodo 21:7 – Que autoriza a vender a filha como escrava.

Levítico 25:44 – Que autoriza possuir escravos, tanto homens quanto mulheres, se eles forem comprados de nações vizinhas.

Êxodo 35:2 – Que diz que quem trabalha aos sábados deve ser morto. Ex: Números 15:32-36 Um homem que no Sábado estava pegando gravetos de lenha para uma simples fogueira é apedrejado até a morte segundo a ordem atribuída a Deus nas escrituras.

Levítico 11:10 – Que diz que comer moluscos é abominação.

Levítico 21:17-21 – Que diz que quem tem problemas de visão NÃO pode aproximar-se do altar de Deus.

Levítico 19:19 – Que proíbe plantar dois tipos de vegetais no mesmo campo, usar roupas de dois tipo diferente de tecidos...

Deuteronômio 22:13 – Que diz que  a noiva não chegar virgem ao casamento deve ser apedrejada na frente da casa dos Pais

Deuteronômio, 21:18-21 – Que diz que filhos desobedientes devem ser apedrejados até a morte.

Levítico, 12:1-5 – Que diz que ao dar à luz um menino, a mulher ficará impura por 40 dias. Se for uma menina ficará impura 80 dias!

É importante notar que Jesus não fez nenhuma afirmação negativa sobre a homossexualidade. O conceito de homossexualidade, como nós o conhecemos, simplesmente não existia nos tempos bíblicos. Os textos usados como arma, contra a comunidade homossexual, apresentam relações num contexto de abuso, violência e ou idolatrias, nunca em relações amorosas e respeitosas ou no contexto de relações sexuais consentidas.

Os escritores bíblicos e comunidades que nos deram nossos textos sagrados trouxeram seus preconceitos, condicionamento cultural, crenças, visões de mundo e pressupostos para o processo de descobrir a vontade de Deus, assim como nós fazemos.

Por isso, insisto que, devemos nos esforçar em ler as Escrituras como Jesus as leria, com liberdade e compaixão, sempre. Não como os religiosos fundamentalistas costumam ler. Ouse pensar fora da caixa!

Rev.Cristiano Valério

Coordenador de Desenvolvimento de Igrejas da Comunidade Metropolitana para o Brasil

Pastor da Igreja da Comunidade Metropolitana de São Paulo

www.icmsp.org

www.icmbrasil.com

____________________________________________________________________________________

*Jean-Yves Leloup - Terapeutas do Deserto, Editora Vozes 13ªEdição, pag. 107

 

As igrejas cristãs brasileiras e o movimento internacional que prega a transformação de homossexuais em heterossexuais tratam, de maneira geral, o tema da homossexualidade sobre três prismas:

1- A Homossexualidade como Possessão Demoníaca,

2- Como Desvio de Comportamento e

3- Como Estilo de Vida Alternativo

Pretendemos com este trabalho refutar estas três perspectivas quanto a sua conceituação, sua falta de fundamentação bíblica, seu desprendimento com a psicologia e seu prognostico e resolução infundados.

"Uma mentira não se torna verdade por meio de ampla divulgação, nem a verdade se torna um engano porque ninguém a enxerga."   M.K.Gandhi

A homossexualidade como Possessão Demoníaca

Este primeiro enfoque diz respeito à perspectiva de que a homossexualidade é causa por demônios. Parte-se do pressuposto de que a existência dos demônios seja capaz de explicar muitos dos problemas que as pessoas enfrentam. Ou seja, as pessoas podem ter demônios e serem possuídas por eles ou ser propriedade deles. Os demônios não passariam de inquilinos ou invasores que precisariam ser confrontados e expulsos. Em resumo, acredita-se, nesta perspectiva que:

1- Há demônios;

2- Que eles podem "invadir" pessoas;

3- Algumas correntes do cristianismo admitem a possibilidade de cristãos poderem ter demônios enquanto que outras correntes não admitem, visto que o “corpo do crente é o templo do Espírito Santo” e não poderia haver comunhão entre luz e trevas, num mesmo corpo.

Esta perspectiva acredita que há muitos tipos de demônios, que vão desde os demônios de amargura até os demônios de impureza sexual (onde eles incluem os homossexuais). Segundo estes a homossexualidade seria causada pela presença de demônios no corpo da pessoa. O demônio da homossexualidade causaria tal comportamento. Desta fora a causa da homossexualidade seria espiritual. Esta perspectiva  é muito corrente em denominações pentecostais.

A homossexualidade como Desvio de Comportamento

Esta posição é a mais defendida por “psicólogos” cristãos. Acreditam que a homossexualidade é um comportamento aprendido. Para afirmar que tal comportamento humano é aprendido há várias teorias para isso:

1- Relacionamentos pais/filhos: Mães dominadoras e pai omisso e ausente. Não tendo uma figura masculina forte com a qual se identificar a criança começa a perder sua habilidade com as moças e adquirir um pavor a relacionamentos íntimos com mulheres. Pais ameaçadores ou rejeitadores fazem com que as meninas tenham poucas oportunidades de se relacionar com homens. Pelo acesso difícil com o pai as meninas descobrem assim que se relacionam melhor com mulheres.

2- Outros relacionamentos familiares: a- mães que desconfiam dos homens e ensina isso as filhas (vice-versa), b- filho que vive somente com mulheres e aprende a pensar e agir como elas, c- pais que criaram o filho como sendo menina (vice-versa), d- o filho é rejeitado pelo genitor do mesmo sexo e sente-se assim inadequado em seu papel sexual.

3- Medo:  Muitos temem contato heterossexual por não terem tido contatos freqüentes com o sexo oposto ou por haverem vivido situações traumáticas envolvendo pessoas do sexo oposto (estupro por exemplo)

A homossexualidade como Estilo de vida Alternativo

Esta perspectiva é a mais cômica para não dizer incabível. Algumas correntes cristãs acreditam que homossexualidade é uma escolha consciente de comportamento. Afirmam isso com o argumento de que muitas pessoas hoje em dia estão experimentando relacionamentos homossexuais por curiosidade, modismo ou por convicções liberais. Também acreditam que algumas pessoas se tornam homossexuais circunstanciais, ou seja, pessoas vulneráveis acabam tendo uma experiência homossexual eventual que as acaba levando a um padrão de comportamento permanente. E que outros escolhem um comportamento homossexual porque parceiros sexuais do sexo oposto não estavam disponíveis.

Analise Critica – Refutação

Diante da perspectiva da homossexualidade ser causada por possessão demoníaca teremos de recorrer às explicações e soluções teológicas. Diante do discernimento de que a causa da homossexualidade seja espiritual, procede-se então uma explicação espiritual.

Se a homossexualidade realmente fosse um caso de possessão demoníaca a cura deveria ser instantânea! Com o exorcismo ou a expulsão do demônio a pessoa sararia imediatamente. Diante da oração muitas vezes acompanhada de jejum, o suposto demônio da homossexualidade deveria ser expulso, e a pessoa liberta, após a oração, assumiria uma postura heterossexual. Vemos, portanto que diante dessa perspectiva onde a homossexualidade é encarada como possessão demoníaca a transformação e “libertação” da homossexualidade deveria ser certa e instantânea.

Quantos homossexuais implorarão a DEUS, com lágrimas, orações e jejuns para se transformarem em heterossexuais e essa transformação não ocorreu?

Pedí, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede, recebe; e quem busca, acha; e ao que bate, abrir-se-lhe-á. Ou qual dentre vós é o homem que, se seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, se lhe pedir peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhas pedirem?” (Mateus 7:7-11)

No caso da homossexualidade ser um comportamento aprendido a solução de um modo simplista seria aprender a ser heterossexual. E é isso que muitos grupos e igrejas tentam impor aos homossexuais; que eles sigam e aprendam a se comportar heterossexualmente. A Associação Americana de Psicologia e o Conselho Americano de Psiquiatria alertam que esta prática não é científica nem ética. E que a reversão põe em risco a saúde mental da pessoa, podendo causar danos irreparáveis aos pacientes.

 Esta tentativa de "cura" pode desencadear algum tipo de doença mental - se o paciente tiver alguma predisposição genética - bem como provocar depressão, baixa auto-estima, ansiedade, suicídio e comportamentos auto-destrutivos, como: uso de drogas, prática de sexo sem segurança, etc.

Não há provas científicas que demonstrem que as terapias de reversão ou de cura são eficazes na modificação da orientação sexual de uma pessoa. Há, contudo, provas de que este tipo de terapia pode ter resultados destrutivos”. Quem escreveu esta frase foi o Dr. Rodrigo Munoz, Presidente da APA (Associação Americana de Psiquiatria). Em 1999, foi publicada uma resolução do Conselho Federal de Psicologia do Brasil que normatiza a conduta dos psicólogos frente a esta questão: "os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades".

A APA retirou a homossexualidade do seu "Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais” (DSM) em 1973, depois de rever estudos e provas que revelavam que a homossexualidade não se enquadra nos critérios utilizados na categorização de doenças mentais. A homossexualidade é, portanto, uma forma de orientação sexual. Em 1985, o Conselho Federal de Medicina do Brasil passa a desconsiderar o artigo 302.0 da classificação Internacional de Doenças, que considerava a homossexualidade uma doença. Em 1991, a Organização Mundial da Saúde passa a desconsiderar a homossexualidade como doença.

Além de todo embasamento cientifico, todo homossexual tem consciência de que sua condição não foi aprendida e muito menos influenciada por alguém ou algo.
"Acaso pode o etíope mudar sua pele ou o leopardo mudar as suas manchas?" Jeremias 13:23

Quanto a terceira perspectiva hoje já se sabe que ser gay ou ser lésbica não é uma opção. Este é mais um mito: as pessoas são gays por opção! Optar significa escolher em ser ou não ser gay. Assim como o heterossexual não escolhe em ser ou não ser heterossexual, o mesmo acontece com o homossexual. Existem vários fatores que determinam esta orientação, que é independe da vontade das pessoas, por isto não é uma opção. Muitos falam, erradamente, sobre “opção sexual”.

Não existe opção, fato de quem “opta” por algo. Nem tampouco condição. O que existe em termos de classificação é a orientação sexual, onde o desejo sexual e afetivo está direcionado para um objeto externo (no caso de homossexuais, mesmo sexo e no de heterossexuais, sexo oposto).

Devido todas as dificuldades e implicações em se assumir homossexual se torna incabível dizer que as pessoas escolhem ser homossexuais. E se realmente tudo não passa-se de uma escolha seria fácil voltar a trás nessa escolha assumindo outros posicionamentos.

Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque fechais aos homens o reino dos céus; pois nem vós entrais, nem aos que entrariam permitis entrar. (Mt. 23:13)
 
 Muito tendes voz, escribas e fariseus, andado preocupados a enganar o vosso povo, dizendo que a homossexualidade é pecado e que por causa disso, unicamente por causa disso, Sodoma e Gomorra foram destruídas. Felizmente que a própria Bíblia e o filho de Deus nos dão a chave para corrigir esta maliciosa identificação de Sodoma e Gomorra com a homossexualidade.  Segundo os mais respeitados estudiosos das Sagradas Escrituras, o pecado de Sodoma é a injustiça e a anti-hospitalidade, nunca a violação homossexual. Prova disto, é que todos os textos que aludem à Sodoma no Antigo Testamento atribuem a sua destruição a outros pecados e não ao "homossexualismo": falta de justiça (Isaías, 1:10 e 3:9), adultério, mentira e falta de arrependimento (Jeremias, 23:14); orgulho, intemperança na comida, ociosidade e "por não ajudar o pobre e indigente" (Ezequiel, 16:49); Como análise extra podemos consultar também os livros apócrifos: insensatez, insolência e falta de hospitalidade (Sabedoria, 10:8; 19;14; Eclesiástico, 16:8). No Novo Testamento, não há qualquer ligação da destruição de Sodoma com a sexualidade e, muito menos, com a homossexualidade (Mateus,10:14; Lucas, 10:12 e 17:29).

Só nos livros neotestamentários tardios de Judas e Pedro, é que aparece em toda a Bíblia alguma conexão entre Sodoma e a sexualidade (Judas, 6:7, Pedro, 2:4 e 6;10). Mesmo aí, inexiste relação com o "homoerotismo". Quanto ao texto tão amado por vós, escribas e fariseus, (I Cor. 6:9) autoridades exegetas protestantes e católicas - como Mcneill, Thevenot, Noth, Kosnik, e muitos outros, ao examinarem, cuidadosamente, na língua original, o texto acima citado, bem como das Epístolas aos Colossences 3:5 e I Timóteo 1:10, concluíram que A associação do pecado dos "sodomitas e gorromitas" com a homossexualidade é mais uma mentira histórica, que tem sua oficialização pela igreja católica apenas na Idade Média, a "idade das trevas".

Quando Paulo diz que certas categorias de pecadores não entrarão no Reino dos Céus - ao lado dos adúlteros, bêbados, ladrões etc... - muitas Bíblias incluem nesta lista os "efeminados" e "homossexuais". Logo de início, há uma condenação injusta, pois muitos efeminados (como muitas mulheres masculinizadas no comportamento) não são necessariamente homossexuais. As mais modernas e abalizadas pesquisas exegéticas concluem que, se Paulo de Tarso quisesse condenar especificamente os praticantes do homoerotismo, teria empregado o termo corrente em sua época e de seu perfeito conhecimento, "pederastas". Em vez desta palavra, Paulo usou as expressões gregas "malakoi", "arsenokoitai" e "pornoi" - que as melhores edições da Bíblia em português traduzem por "pervertores", "pervertidos" e "imorais". Portanto, foram estes pecadores que Paulo incluiu na lista dos afastados do Reino dos Céus, e não os "pederastas", e muito menos os "homossexuais".

Segundo os historiadores, vivendo São Paulo numa época de grande licenciosidade sexual - tempo de Calígula, Nero e de Satiricon -, esperando o próximo retorno do Cristo e o fim do mundo, ele condenou, sim, os excessos e abusos sexuais dos povos vizinhos, mas nunca o amor inocente e recíproco. É verdade que, ao criar o homem, Deus disse: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea. (Gn. 2:18), mas em Eclesiastes 4:11 lemos: "Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará?" Se lermos este texto dentro do seu contexto desde o verso 9, vemos que Salomão está aqui a falar de duas pessoas em geral e não especificamente de homem e mulher.

O próprio Filho de Deus disse que "há eunucos que assim nasceram desde o seio de suas mães" (Mateus 19:12), ensinando, num sentido figurado, que faz parte dos planos do Criador que alguns homens tenham uma sexualidade não reprodutora biologicamente. Todos somos imagem de Deus! O maior argumento para se comprovar que as Escrituras Sagradas não condenam o amor entre pessoas do mesmo gênero, é o fato de Jesus Cristo nunca ter falado nenhuma palavra contra os homossexuais! Se o "homossexualismo" fosse uma coisa tão abominável, certamente o Filho de Deus teria incluído esse tema em sua mensagem. O que Jesus condenou, sim, foi a dureza de coração, a intolerância dos fariseus hipócritas, a crueldade daqueles que dizem Senhor, Senhor!, mas esquecem da caridade e do respeito aos outros (Mateus, 7:21). E foi o próprio Messias quem deu o exemplo de tolerância em relação aos "desviados", andando e comendo com prostitutas, pecadores e publicanos.

Do mesmo modo como Galileu ensinou-nos a verdade a respeito da Astronomia, opondo-se à crença dos cristãos de sua época, assim também hoje todos os ramos da Ciência garantem que a homossexualidade é um comportamento normal, saudável e tão digno moralmente como a orientação sexual da maioria das pessoas. Negar esta evidência científica é repetir a mesma ignorância intolerante do Papa que condenou Galileu. Que dirieis vós, escribas e fariseus, se eu, do meu púlpito, começasse agora a pregar a teoria geocêntrica? A Bíblia não diz uma só palavra em favor da verdade apresentada por Galileu! Não devemos temer a verdade que liberta, pois o próprio Jesus nos mandou imitar "o escriba instruído nas coisas do Reino dos Céus, que como um pai de família, tira de seu tesouro coisas novas e velhas" (Mateus, 13:52). Mesmo que o Papa ou os pastores continuem a negar os direitos humanos dos gays e lésbicas, mesmo que cristãos ignorantes continuem a repetir as ultrapassadas abominações do Velho Testamento, para os verdadeiros crentes o que vale é o exemplo do Filho de Deus, Jesus Cristo, único capaz de dizer com verdade: "Tem ânimo, filho; perdoados são os teus pecados." Mt. 9:2 Mas mesmo que o pecado de Sodoma tivesse sido a homossexualidade, ainda temos esta salvaguarda de Nosso Senhor Jesus Cristo: "E tu, Cafarnaum, porventura serás elevada até o céu? até o inferno descerás; porque, se em Sodoma se tivessem operado os milagres que em ti se operaram, teria ela permanecido até hoje." (Mt. 11:23)

Quem é a Cafarnaum dos nossos dias? Infelizmente há muitos ateus que  compreendem melhor I Cor. 13 do que muitos cristãos. Portanto, sempre que pregardes dos vossos púlpitos que a homossexualidade é pecado, lembrai-vos que entre vós podem estar irmãos sofrendo em silêncio por acreditarem nessa mentira. Desejo tão somente que, ao lerdes esta mensagem o Espírito Santo vos ilumine e consigais compreender a frase de Jesus que citei no início deste pequeno texto: "Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque fechais aos homens o reino dos céus; pois nem vós entrais, nem aos que entrariam permitis entrar"!!!

Mensagem enviada por um estudante de teologia de Boston para Laura Schlessinger, uma personalidade do rádio americana que dá conselhos às pessoas que ligam para seu programa.

Recentemente ela disse que a homossexualidade é uma abominação, de acordo com Levítico 18:22, e não pode ser perdoada em qualquer circunstância.

O texto abaixo é uma carta aberta à Dra. Laura, escrita por um cidadão americano e também disponibilizada na Internet.

Dra. Laura

Obrigado por ter feito tanto para educar as pessoas no que diz respeito à Lei de Deus. Eu tenho aprendido muito com seu programa, e tento compartilhar o conhecimento com tantas pessoas quantas posso.

Quando alguém tenta defender a homossexualidade, por exemplo, eu simplesmente lhe lembro que Levítico 18:22 claramente afirma que isso é uma abominação. Fim do debate.

Mas eu preciso da sua ajuda, entretanto, no que diz respeito a algumas leis específicas e como segui-las:

a) Quando eu queimo um touro no altar como sacrifício, eu sei que isso cria um odor agradável ao Senhor Levítico 1:9. O problema são os meus vizinhos. Eles reclamam que o odor não é agradável para eles. Devo matá-los por heresia?

b) Eu gostaria de vender a minha filha como escrava, como é permitido em Êxodo 21:7. Na época actual, qual acha que seria um preço justo por ela?

c) Eu sei que não é permitido ter contacto com uma mulher enquanto ela está em seu período de impureza menstrual Levítico 15:19/24. O problema é: como eu digo isso a ela? Eu tenho tentado, mas a maioria das mulheres toma isso como ofensa.

d) Levítico 25:44 afirma que eu posso possuir escravos, tanto homens quanto mulheres, se eles forem comprados de nações vizinhas. Um amigo meu diz que isso se aplica a mexicanos, mas não a canadenses. Você pode esclarecer isso? Por que eu não posso possuir canadenses?

e) Eu tenho um vizinho que insiste em trabalhar aos sábados. Êxodo 35:2 claramente afirma que ele deve ser morto. Eu sou moralmente obrigado a matá-lo eu mesmo?

f) Um amigo meu acha que comer moluscos é uma abominação Levítico 11:10, é uma abominação menor que a homossexualidade. Eu não concordo. Você pode esclarecer esse ponto?

g) Levítico 21:17/21 afirma que eu não posso me aproximar do altar de Deus se eu tiver algum defeito na visão. Eu admito que uso óculos para ler. A minha visão tem mesmo que ser 100%, ou pode-se dar um jeitinho?

h) A maioria dos meus amigos homens apara a barba, inclusive o cabelo das têmporas, mesmo que isso seja expressamente proibido em Levítico 19:27. Como eles devem morrer?

i) Eu sei que tocar na pele de um porco morto me torna impuro Levítico 11:6/8, mas eu posso jogar futebol americano sem usar luvas? (as bolas de futebol americano são feitas com pele de porco)

j) Meu tio tem uma fazenda. Ele viola Levítico 19:19 plantando dois tipos diferentes de vegetais no mesmo campo. Sua esposa também viola o mesmo versículo, porque usa roupas feitas de dois tipos diferentes de tecido (algodão e poliester). Ele também tende a xingar e blasfemar muito. É realmente necessário que eu chame toda a cidade para apedrejá-los Levítico 24:10/16?  Nós não poderíamos simplesmente queimá-los em uma cerimónia privada, como deve ser feito com as pessoas que mantêm relações sexuais com seus sogros Levítico 20:14?

Eu sei que você estudou essas coisas a fundo, então estou confiante que possa ajudar.

Obrigado novamente por nos lembrar que a palavra de Deus é eterna e imutável.

Seu discípulo e fã ardoroso.

A Escrituras oferecem modelos bíblicos para as lésbicas e os gays, ao narrar duas histórias de casais do mesmo sexo que, em mútuo compromisso de amor, enfrentam e superam duras circunstâncias.

Rute e Noemí
O livro de Rute é uma história de amor, mas não entre Rute e Boaz. E sim entre Noemi, que é a protagonista e Rute, a heroína redentora. A relação entre Rute e Boaz, longe de ser amorosa, é mais um assunto de preservação da descendência e da terra da família.

Mas o relato contém a mais comovedora promessa de fidelidade pessoal de toda a Bíblia: "Rute lhe respondeu: Não me peças que te deixes e que me separe de ti! Irei aonde tu fores, e viverei aonde tu viveres. Teu povo será o meu povo, e teu Deus será o meu Deus" (Rt 1:16).

Ainda que esta promessa seja utilizada nas cerimônias matrimoniais entre um homem e uma mulher, é uma promessa entre duas mulheres! Rute fez esta declaração para Noemi, sua sogra, quando seu esposo perdeu a vida no campo de batalha. Rute se casa logo com Boaz, um parente próximo dela, e resgata o lugar de Noemi dentro de sua própria família, e inclusive tendo um filho para Noemi. Mantinham, Noemi e Rute, uma relação lésbica? Não poderemos saber nunca, mas é claro sim que as duas mulheres mantinham uma relação apaixonada e de entrega, elogiada pelas Sagradas Escrituras, que durou toda a vida.

Unidos em um pacto de amor...
Davi e Jonatas
Outro relato bíblico, o de Davi e Jonatas, ocorre na época em que a relação varonil entre guerreiro e amante era comum e, além disso, considerada nobre.

O triângulo trágico de paixão, ciúmes e intrigas políticas entre Saul, Jonatas e Davi, é uma franca expressão de amor entre pessoas do mesmo sexo: "Angustiado estou por ti, Jonatas, irmão meu! Com quanta doçura me trataste! Para mim teu carinho superou o amor das mulheres"
(2 Sm 1:26).

O autor bíblico, indubitavelmente, está consciente da varonil beleza clássica de Davi (1Sm 16:12) neste relato de amorosa lealdade (1Sm 18:1-5), com encontros furtivos (1Sm 20:1-23, 35-42), depressão e lágrimas (1Sm 20:41), perda de apetite (1Sm 28:32-34) e o pacto de guerreiro e amante que Davi mantém até a morte de Jonatas (1Sm 20:12-17, 42).

Ninguém pede ler esta historia sem deduzir que Jonatas era o amor da vida de Davi. Os muitos séculos de interpretações homofóbicas da Bíblia os mantiveram ocultos no armário por tempo demais! (2).

Homossexualidade e a Bíblia: Algumas Perguntas Relevantes

Isto é tudo? Algumas profecias sobre a esterilidade e os eunucos e dois relatos de casais do mesmo sexo? Há outros relatos que os biblistas deveriam analisar.

Eram gays os eunucos da história de José (Gn 39-45) e do livro de Ester, quem, residindo nas cortes reais, resgataram aos líderes de Deus?

Na parábola da mulher que tinha dez moedas e perdeu uma (Lc 15), são as lésbicas e os gays uma moeda alegremente redescoberta em nossos dias? Atualmente, admitindo que as lésbicas e os gays são o dez por cento da população, são o dizimo da humanidade? São a levedura do pão das culturas?

Um centurião implora a Jesus que cure um servo a quem queria muito (Lc 7). A palavra grega em Mateus 8 é pais, que significa "rapaz escravo" e nesses tempos se referia usualmente a uma relação homossexual. Porque Jesus elogia a fé do centurião, mas não condena seu estilo de vida?

Paulo, o Apóstolo, não simpatizava nem um pouco com os heterossexuais que não controlavam seus impulsos sexuais. Mas sua tormentosa vida passional se centrava ao redor de homens, como Timoteo, Barnabé e Silas. Eram, seus discursos contra colegas e igrejas, e seu incansável zelo missionário, uma forma de suprimir sua própria homossexualidade?

A passagem referente ao governante jovem e rico (Mc 10:21), diz: "Jesus, fixando nele seu olhar, lhe amou". Qual é a relação entre a espiritualidade encarnada e este "amor" por um desconhecido necessitado? Que estudos tem sido feito sobre as oito vezes em que Jesus expressa "amor" à alguém? Como está relacionado esse "amor" especial de Jesus com sua sexualidade?

E que há de Lídia (At 16), a independente e Gentílica mulher de negócios, vendedora de finos tecidos e roupas, e primeira Cristã Européia? Ainda que o texto bíblico se refira a que Lídia dirige um grupo de mulheres para as quais Paulo prega, não menciona nem um esposo nem filhos. Era Lídia lésbica?

Freqüentemente, a cor púrpura é usada em relação com a realeza, o sofrimento e a paixão, ou a transformação e a magia. A púrpura é a cor que Jesus leva para a cruz. A cor púrpura tem, além disso, conotações lésbicas e gays na Bíblia e na tradição litúrgica Cristã? (3)

 

Ajude a Manter essa Obra!
Topo