Somos uma comunidade de pessoas que compartilham do desejo de viver a mensagem de Jesus de forma a incluir, e não excluir; curar, e não ferir; pacificar, e não guerrear; encorajar, e não desanimar; libertar, e não aprisionar; incentivar a liberdade e criatividade de pensamento.

Estamos ligados a FUICM (Fraternidade Universal das Igrejas da Comunidade Metropolitana)  Região Ibero-america coordenada pelo Reverendo Bispo Hector Gutierrez.

HomeICM São PauloTransexual pode mudar de nome antes da cirurgia

Nosso Site

biblia arco iris

Nosso site esta totalmente integrado ao facebook, assim você pode curtir, compartilhar, comentar... aguarde ainda muitas outras novidades.

 

Conteúdos

pesquisa

Nossa equipe de Comunicação tem disponibilizado cada vez mais conteúdos edificantes e libertadores. Será uma alegria receber suas sugestões

Transexual pode mudar de nome antes da cirurgia

Exigir que uma transexual faça a cirurgia de mudança de sexo antes que ela possa pedir a mudança no registro civil atenta contra o princípio constitucional da dignidade humana. O entendimento é do desembargador Maia da Cunha, da 4ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, que autorizou a mudança do registro do sexo antes da cirurgia.

Maia da Cunha, o relator do caso, foi acompanhado pelo terceiro juiz, o desembargador Fabio Quadros, e reformou o entendimento da sentença. O primeiro grau havia decidido que a cirurgia de troca de sexo era condição para que fosse pedida a mudança do sexo no registro civil. O desembargador Caros Teixeira Leite, revisor no caso, concordou com o juiz e foi voto vencido.

O tribunal julgava o caso de Alessandra, registrada em cartório como Antonio. Alessandra quer mudar o nome no registro civil e disse em juízo que vai fazer a cirurgia de troca de sexo. O primeiro grau estabeleceu a cirurgia como condição para autorizar o pedido de mudança de nome. O desembargador Maia da Cunha reconheceu que o nome tem sua “relevância como fator de segurança da sociedade”, e por isso a “regra da definitividade”. Mas lembrou que a regra não é absoluta, e o nome pode ser mudado nos casos que o Judiciário considerar excepcionais.

Citou jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, na qual o ministro Luis Felipe Salomão afirma que a única exigência para autorizar a mudança dos nomes são “justo motivo e ausência de prejuízo a terceiros”. A decisão, da 4ª Turma, é de setembro de 2011.

 

Maia da Cunha ponderou que a cirurgia é o último estágio de “uma série de medidas de caráter multidisciplinar” para ajustar “o sexo anatômico ao sexo físico”. “Durante este processo, em que o corpo já se adapta ao sexo psíquico, notório o constrangimento daquele que, aparentando um sexo, vê-se obrigado a mostrar documentos que sinalizam outro. Exigir-se que se aguarde a realização da cirurgia é, com a devida vênia, atentar contra a dignidade da pessoa humana, prevista no artigo 1º, III, da Constituição Federal”, escreveu.

Tornar correto
O desembargador Carlos Teixeira Leite, autor do voto divergente, ao concordar com a sentença, reconheceu os “incontestes” “dilemas, transtornos e dificuldades enfrentados pelos transexuais no convívio social e familiar”. 

Ele argumentou, porém, que “retificar significa tornar correto, alinhar, corrigir”. No caso de Alessandra, a “mudança de prenome por transexualidade, deve implicar na perfeita correspondência entre o sexo biológico e a identificação do indivíduo”. Como Alessandra ainda não fez a cirurgia, mudar seu registro civil para apagar seu nome de batismo resultaria em uma disparidade. “Em outras palavras, o que se busca é dar condições de exercício da sexualidade, desde que haja correspondência com a circunstância física”, afirmou.

Teixeira Leite considerou que Alessandra está disposta a fazer a cirurgia, e inclusive já deu entrada no pedido no Ambulatório de Saúde Integral para Travestis e Transexuais de São Paulo. Portanto, argumentou, “nada há que justifique a antecipação da retificação pretendida”.

Clique aqui para ler o voto do desembargador Maia da Cunha.
Clique aqui para ler o voto do desembargador Teixeira Leite.

 

Pedro Canário é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 13 de agosto de 2013

 

SURDOS

surdos icm

 

 SURDOS

DA IGREJA DA COMUNIDADE METROPOLITANA

Curso de Libras (Lingua Brasileira de Sinais) TEMOS INTERPRETES DE LIBRAS NOS CULTOS. 
Venha nos visitar!
Rua Sebastião Pereira, 231  (Ao lado do prédio do Bradesco no Metrô Santa Cecília)
São Paulo - SP

Mensagens SMS:

(11) 97239 3998

 

ICM no Brasil

icmAs Igrejas da Comunidade Metropolitana estão presentes em 14 cidades do Brasil, saiba como participar desta obra fazendo contato conosco. www.icmbrasil.com

 

Família ICM

icm

Venha conhecer mais, tirar duvidas, participar de nossos programas de formação e estudos ou agende aconselhamento pastoral. Será uma alegria receber você. Contate-nos pelo Telefone (11) 2737 3998

 

ICM Delas

delas

 ICM Delas – Grupo de mulheres das Igrejas da Comunidade Metropolitana. Venha participar de nossas atividades!

 

Topo